Aperte o PLAY e ouça a Rádio Antena Love

Divinpolis adere ao Programa Nacional de Acesso ao Trabalho


Jovens e adultos procura de um emprego e que estejam cadastrados no Cadnico, tero a oportunidade de serem preparados e capacitados antes da entrega do currculo. Os atendimentos sero nos seis Centros de Referncia de Assistncia Social (Cras) da cidade Anna Lcia Silva/G1 Divinpolis aderiu ao Programa Nacional de Acesso ao Mundo do Trabalho (Acessuas) e, com isso, jovens e adultos procura de um emprego e que estejam cadastrados no Cadnico tero a oportunidade de serem preparados e capacitados antes da entrega do currculo. Segundo a Prefeitura, o pblico-alvo so pessoas de 14 a 59 anos cadastradas no Cadnico. Os atendimentos sero nos seis Centros de Referncia de Assistncia Social (Cras) da cidade. O agendamento deve ser feito por telefone ou em uma unidade do Cras. Durante o atendimento as pessoas recebero orientaes sobre a montagem do currculo, desenvolvimento pessoal, participaro de palestras sobre o mercado de trabalho, alm de acompanhamento e monitoramento aps a entrevista. Endereos dos Cras Divinpolis Cras Sudeste: Praa Ceus - Rua Jos Afonso Micheline n 151, Bairro Nossa Senhora das Graas (37) 3215- 5254. Cras Nordeste: Rua Jos Santos Silva n 45, Bairro Danilo Passos II (37)3212-6624. Cras Sudoeste: Rua Castro Alves n 2020, Bairro So Jos (37)3221-8947. Cras Noroeste: Rua Pedro Ferreira do Amaral n 30, Bairro Padre Librio (37)3222-7476. Cras Jardinpolis: Rua Goiabeira n 761, Bairro Jardinpolis (37)3229-9791. Programa Nacional O Programa Nacional de Acesso ao Mundo do Trabalho (Acessuas) foi criado com o objetivo de fortalecer os servios da proteo social bsica. O programa busca o desenvolvimento da autonomia dos usurios da poltica de assistncia social por meio da promoo do acesso e incluso no mundo do trabalho por meio dos seguintes eixos: Identificao e sensibilizao; Desenvolvimento de habilidades e orientao para o mundo do trabalho; Acesso a oportunidades; Acompanhamento da trajetria. VDEOS: veja tudo sobre o Centro-Oeste de Minas

Leia Mais

Vacina Covid-19: Centro-Oeste de MG recebe mais de 41 mil doses da Pfizer nos 57 e 58 lotes


Repasse para as regionais de Sade comeou na quarta-feira (13). Veja o quantitativo para cada cidade. Minas recebeu 325 mil doses da Pfizer na segunda-feira (11) Fbio Marchetto/Divulgao/SES-MG A regio Centro-Oeste de Minas receber 41.804 doses de imunizantes contra a Covid-19 que correspondem ao 57 58 lotes. A distribuio para as Unidades Regionais de Sade (URSs) comeou na quarta-feira (13). Os lotes contam apenas com imunizantes da Pfizer. Os municpios da regio recebero as doses por meio meio das regionais de Sade de Divinpolis, Sete Lagoas e Passos (confira abaixo o quantitativo por cidade). ltimo lote: Veja aqui informaes sobre o 56 lote Pblico-alvo Segundo a SES-MG, as doses sero destinadas segunda aplicao (D2) para 6,5% de pessoas com idade entre 45 a 49 anos, para o restante da populao de trabalhadores industriais e para 3% de caminhoneiros; para a D2 de 14% de pessoas com idade entre 45 a 49 anos e para o restante de caminhoneiros; e para a D2 de 13,5% de pessoas com idade de 45 a 49 anos e de 15,3% de pessoas com idade entre 40 e 44 anos. Caso algum municpio tenha completado o esquema vacinal de todas as pessoas de um grupo prioritrio, e tiver dose disponvel, poder avanar na imunizao de outros grupos prioritrios elencados pelo Programa Nacional de Imunizaes (PNI), do Ministrio da Sade. Doses por municpios A 57 e 58 remessas so compostas com doses da Pfizer. Veja abaixo o quantitativo por municpio que faz parte da rea de cobertura da TV Integrao: Doses entregues por municpio - SRS de Divinpolis Doses enviadas para URS de Sete Lagoas Doses entregues por municpio da URS de Passos Remessas At esta quarta-feira, Minas Gerais recebeu 58 lotes de vacinas contra a Covid-19 do Ministrio da Sade. No entanto, a Secretaria de Estado de Sade de Minas Gerais (SES-MG) esclareceu ao G1 que algumas remessas foram enviadas juntas. Confira abaixo a situao: A pasta ainda reforou que cada municpio responsvel pela retirada das vacinas nas respectivas URSs. 1 remessa: 577.480 doses da CoronaVac enviadas no dia 18 de janeiro; 2 remessa: 190.500 doses de AstraZeneca enviadas no dia 24 de janeiro + 3 remessa: 87.600 doses da CoronaVac enviadas no dia 25 de janeiro; 4 remessa (contabilizada pelos municpios como 3 remessa): 315.600 doses da CoronaVac enviadas no dia 7 de fevereiro; 5 remessa (contabilizada pelos municpios como 4 remessa): 357.400 doses da AstraZeneca e CoronaVac enviadas no dia 23 de fevereiro; 6 remessa (contabilizada pelos municpios como 5 remessa): 285.200 doses da CoronaVac enviadas no dia 3 de maro; 7 remessa (contabilizada pelos municpios como 6 remessa): 303.600 mil doses da CoronaVac no dia 9 de maro; 8 remessa (contabilizada pelos municpios como 7 remessa): 509.800 doses da CoronaVac no dia 17 de maro; 9 remessa (contabilizada pelos municpios como 8 remessa): 86.750 doses da AstraZeneca e 455.800 da CoronaVac no dia 20 de maro; 10 remessa (contabilizada pelos municpios como 9 remessa): 116.600 AstraZeneca e 359.000 Coronavac no dia 26 de maro; 11 remessa (contabilizada pelos municpios como 10 remessa): 73.250 doses de AstraZeneca e 943.400 doses de CoronaVac em 1 de abril; 12 remessa (contabilizada pelos municpios como 11 remessa): 257.750 da AstraZeneca e 220.400 da Coronavac em 8 de abril; 13 remessa (contabilizada pelos municpios como 12 remessa): 426.000 da AstraZeneca e 275.200 da Coronavac, em 16 de abril; 14 remessa (contabilizada pelos municpios como 13 remessa): 316.750 doses da AstraZeneca e 73.800 da CoronaVac, em 23 de abril; 15 remessa (contabilizada pelos municpios como 14 remessa): 578.000 da AstraZeneca e 11.800 da Coronavac, em 29 de abril; 16 remessa (contabilizada pelos municpios como 15 remessa): 676.250 doses da AstraZeneca, em 3 de maio e 30.400 doses da CoronaVac, em 1 de maio 17 remessa (no contabilizada pelos municpios, j que a remessa ficou apenas em Belo Horizonte): 50.310 doses da Pfizer, em 3/5/2021 18 remessa (contabilizada pelos municpios como 16 remessa): 396.500 doses da AstraZeneca, em 6 de maio, 100.200 doses da Coronavac, em 8 de maio, e 112.320 doses da Pfizer, em 10 de maio; 19 remessa - (contabilizada pelos municpios como 18 remessa):422.750 doses da AstraZeneca e 207.800 doses da CoronaVac, em 13/5/2021, 101.600 doses da Coronavac, em 14/5/2021. 20 remessa (contabilizada pelos municpios como 19 remessa): foram recebidas 64.350 doses da Pfizer, CoronaVac e AstraZeneca em 18/05/2021 21 remessa (contabilizada pelos municpios como 20 remessa): 561.750 doses da AstraZeneca e 60.840 doses da Pfizer, em 26/5/2021 22 remessa (contabilizada pelos municpios como 21 remessa): 588.500 doses da AstraZeneca e 62.010 doses da Pfizer, em 3/6/2021 23 remessa (contabilizada pelos municpios como 22 remessa) 237.510 doses da Pfizer, em 8/6/2021 24 remessa (contabilizada pelos municpios como 23 remessa) 362.750 doses da AstraZeneca, em 9/6/2021 25 remessa (contabilizada pelos municpios como 24 remessa): 235.170 doses da Pfizer e 273 mil doses da CoronaVac, em 18 de junho; 26 remessa (contabilizada pelos municpios como 25 remessa): 62.000 doses da AstraZeneca, em 21/6/2021 27 remessa (contabilizada pelos municpios como 26 remessa): 346.800 doses da CoronaVac, 281.970 doses da Pfizer, 149.550 doses da Janssen, em 24/6/2021 28 remessa (contabilizada pelos municpios como 27 remessa): 624.500 doses da AstraZeneca, em 30/6/2021 - 112.320 doses da Pfizer, em 1/7/2021 29 remessa (contabilizada pelos municpios como 28 remessa): 271.440 doses da Pfizer e 79.600 doses da CoronaVac, em 09/7/2021 30 remessa (contabilizada pelos municpios como 29 remessa): 379.750 doses da AstraZeneca, em 15/7/2021 31 remessa (contabilizada pelos municpios como 30 remessa): 171.400 doses da CoronaVac, em 19/7/2021, 550.050 doses da AstraZeneca e 120.510 doses da Pfizer, em 20/7/2021 32 remessa (contabilizada pelos municpios como 31 remessa): 330.600 doses da CoronaVac, 103.260 doses da AstraZeneca e 209.430 doses do imunizante da Pfizer, em 27/7/2021 e 234.750 doses da AstraZeneca, em 28/7/2021 33 remessa (contabilizada pelos municpios como 32 remessa): 351.000 doses da Pfizer e 290.200 doses da CoronaVac, em 30/7/2021. 34 remessa (contabilizada pelos municpios como 33 remessa):221.130 doses da Pfizer e 118.400 doses da CoronaVac, em 4/8/2021. 35 remessa (contabilizada pelos municpios como 34 remessa): 425.650 doses do imunizante AstraZeneca, 349.830 da Pfizer e 8.650 doses da Janssen 9/8/2021 36 remessa (contabilizada pelos municpios como 35 remessa ) :141.200 doses da CoronaVac e 296.010 da Pfizer 10/8/2021 37 remessa + 38 remessa (contabilizada pelos municpios como 33 remessa): 104.130 doses da Pfizer e 104.250 doses da Astrazeneca em 11 de agosto e 162.630 doses da Pfizer e 257.480 doses da CoronaVac em 13 de agosto; 39 remessa + 40 remessa (contabilizada pelos municpios como 34 remessa): 192.600 doses da Coronavac e 322.920 doses da Pfizer e 301.250 doses da AstraZeneca e 131.040 da Pfizer; 41 remessa (contabilizada pelos municpios como 35 remessa): 419.200 doses da CoronaVac e 405.990 doses Pfizer, em 20 de agosto. 42 remessa (contabilizada pelos municpios como 36 remessa): 205.600 doses da CoronaVac, 214.110 doses da Pfizer e 367.250 doses da AstraZeneca em 23 de agosto. 43 remessa (contabilizada pelos municpios como 37 remessa): 411.200 doses da Coronavac e 303.030 Pfizer em 26 de agosto. 44 + 45 remessas (contabilizada pelos municpios como 38 remessa): 101.790 doses do imunizante da Pfizer e 180.250 doses da AstraZeneca, referentes 44 remessa. Do 45 lote, so 96.230 doses da CoronaVac, 133.380 doses da Pfizer e 195.750 doses da AstraZeneca. 46 + parte da 47 remessas (contabilizada pelos municpios como 39 remessa): 284.592 doses de vacinas Pfizer (46 remessa), 429.800 doses da CoronaVac e 176.172 da Pfizer (partes estas da 47 remessa) 48 + parte da 49 remessas (contabilizada pelos municpios como 40 remessa): 627.945 imunizantes, sendo 276.053 doses da Pfizer, referentes 48 remessa, somados a 129.252 doses da Pfizer e 222.640 doses da CoronaVac, referentes ao 49 lote. 50 + 51 remessas (contabilizada pelos municpios como 50 remessa): 453.990 doses da Pfizer e 260.250 da AstraZeneca. 51 + 52 remessas (contabilizada pelos municpios como 51 remessa): 341.930 doses da CoronaVac, 912.726 doses da Pfizer e 308.060 da AstraZeneca, referentes ao restante do 51 lote e o quantitativo integral da 52 remessa. 53 remessa (contabilizada pelos municpios como 52 remessa): 44.050 doses da Pfizer e 88.980 da AstraZeneca. 54 remessa ( contabilizada pelos municpios como 53 remessa): 483.972 doses da Pfizer, 112.260 da AstraZeneca e 800 da Janssen referentes ao restante do 52 lote (Janssen) e o quantitativo integral do 54 lote. 55 remessa ( contabilizada pelos municpios como 54 remessa): 232.410 doses de AstraZeneca e 353.508 de Pfizer. 56 remessa: 324.090 doses da Pfizer e 368.250 de AstraZeneca 57 58 remessa ( contabilizada pelos municpios como 55 remessa): 588.270 doses de imunizantes do laboratrio Pfizer. Total: 30.428.710 doses. Importncia da vacina Nenhuma vacina oferece proteo de 100% contra doenas, mas todas reduzem o risco de infeco, hospitalizao e morte, principalmente depois da segunda dose. importante lembrar que vacinas funcionam, mas no so infalveis. Ainda assim, apesar de a probabilidade de infeco aps a vacina ser pequena, quanto mais a doena estiver circulando, maior o risco de o imunizante falhar. Por isso a necessidade de vacinar o maior nmero de pessoas possveis o quanto antes. VDEOS: veja tudo sobre o Centro-Oeste de Minas

Leia Mais

Prefeitura de Divinpolis far ao de sade voltada para beneficirios do Bolsa Famlia


Atividade programada para sexta-feira (15) ser realizada no Bairro Copacabana. Bairro Copacabana em Divinpolis em imagem de arquivo Prefeitura de Divinpolis/Divulgao Uma ao de sade voltada para beneficirios do Programa Bolsa Famlia ser realizada no Bairro Copacabana, em Divinpolis, na sexta-feira (15). De acordo com a Prefeitura, a atividade ser das 8h30 s 10h30, na Rua Gualter Teixeira Malta, n 880. O g1 entrou em contato com a Prefeitura para saber quantas pessoas esto cadastradas no Bolsa Famlia no Bairro Copacabana, mas no obteve retorno at a ltima atualizao desta matria. Os trabalhos sero coordenados por equipes de sade da Secretaria Municipal de Sade (Semusa). O objetivo assegurar o acesso dos beneficirios s polticas sociais bsicas de sade, educao e assistncia social, alm de promover a melhoria da situao de vida dessas pessoas. Os beneficirios precisam levar carteirinha do posto de sade, carto do bolsa famlia e carto de vacina de todos da casa. Conforme a Administrao, as exigncias para receber o Bolsa Famlia so compromissos que as famlias assumem nas reas de sade, educao e assistncia social. No que diz respeito a sade, analisado o calendrio de vacinao e do crescimento e desenvolvimento para crianas menores de 7 anos, pr-natal para gestantes e acompanhamento para as mes que amamentam. O cumprimento das condicionalidades condio para que as famlias continuem a receber o benefcio financeiro. VDEOS: veja tudo sobre o Centro-Oeste de Minas

Leia Mais

Vacina Covid-19: mais de 75 mil doses so enviadas para o Tringulo, Alto Paranaba e Noroeste de MG nos 57 e 58 lotes


Remessas com imunizantes da Pfizer so distribudos desde quarta-feira (13) pelo Governo de Minas Gerais. Veja quantas doses cada municpio vai receber de fabricante. Doses de vacina da Pfizer, foto de arquivo Hlia Scheppa/Arquivo/SEI Mais 75.492 doses da vacina Pfizer foram enviadas para as regies do Tringulo Mineiro, Alto Paranaba e Noroeste de Minas Gerias para a aplicao contra a Covid-19. Os imunizantes fazem parte dos 57 e 58 lotes do Ministrio da Sade para o Estado, que realiza a distribuio s 28 Unidades Regionais de Sade (URS) desde quarta-feira (13). De acordo com a Secretaria de Estado de Sade de Minas Gerais (SES-MG), a remessa recebida pelo governo mineiro tem 588.270 doses, com imunizantes apenas da Pfizer. Leia tambm: ltimo lote: Veja aqui informaes sobre o 56 lote Vacina Covid-19: regies do Tringulo, Alto Paranaba e Noroeste de MG recebem quase 70 mil doses na 55 remessa Veja quantas doses j foram aplicadas nas principais cidades do Tringulo, Alto Paranaba e Noroeste de MG Vacinao contra Covid: por que municpios no aplicam toda vacina enviada pelo governo federal? Quem vai ser vacinado As vacinas da Pfizer sero destinadas para aplicao da segunda dose de pessoas de 40 a 49 anos, alm do restante da populao de trabalhadores industriais e caminhoneiros. Doses por municpios Doses enviadas para a URS Uberlndia e diviso por municpios Doses enviadas para a URS Uberaba e diviso por municpios Doses enviadas para a URS Patos de Minas e diviso por municpios Doses enviadas para a URS Ituiutaba e diviso por municpios Doses enviadas para Paracatu, que est na URS de Una Logstica De acordo com a SES-MG, o governo estadual realiza a distribuio conforme o seguinte planejamento: Remessas que chegam na sexta-feira, sbado e domingo: distribuio a partir de segunda-feira e continuidade nos dias seguintes; Remessas que chegam na segunda e tera-feira: distribuio a partir de quarta-feira e continuidade nos dias seguintes; Remessas que chegam na quarta, quinta-feira: distribuio a partir de sexta-feira e continuidade nos dias seguintes. Ainda segundo a Secretaria de Estado de Sade, a logstica de envio das vacinas depende do planejamento junto s 14 macrorregies, e alinhamento entre a SES-MG e foras de segurana, as 28 Unidades Regionais de Sade e demais envolvidos. Remessas de vacina j entregues a MG At o dia 4 de outubro, Minas Gerais recebeu 54 lotes de vacinas contra a Covid-19 enviadas pelo Ministrio da Sade. Porm, a SES-MG esclareceu ao g1 que a 2 e a 3 remessas assim como a 23 e 24, a 35 e 36, 37 e 38, a 39 e 40, a 44 e 45, a 46 e 47, a 48 e 49, 50 e 1 parte da 51, 2 parte da 51 e 1 parte da 52 foram enviadas juntas s 28 URS, e a 17, com doses da Pfizer, ficou em Belo Horizonte, o que explica os municpios terem recebido 45 envios e no 55. 18 de janeiro: 577.480 doses de CoronaVac 24 de janeiro: 190.500 doses de AstraZeneca 25 de janeiro: 87.600 doses de CoronaVac 7 de fevereiro: 315.600 doses de CoronaVac 24 de fevereiro: 357.400 doses de CoronaVac e AstraZeneca 2 de maro: 285.200 doses de CoronaVac 9 de maro: mais de 300 mil doses de CoronaVac 17 de maro: 509.800 doses deCoronaVac 20 de maro: 542.550 doses de CoronaVac e AstraZeneca 26 de maro: 475.600 doses de CoronaVac e AstraZeneca 1 de abril: 1.016.650 doses de CoronaVac e AstraZeneca 8 de abril: 478.150 doses de CoronaVac e AstraZeneca 16 de abril: 701.200 doses de CoronaVac e AstraZeneca 23 de abril: 316.75 doses de CoronaVac e AstraZeneca 29 de abril: 589.800 doses de CoronaVac e AstraZeneca 1 de maio: 30.400 doses da CoronaVac 3 de maio: 676.250 doses da AstraZeneca e 50.310 doses da Pfizer 10 de maio: 396.500 doses da AstraZeneca, 100.200 doses da CoronaVac, e 112.320 doses da Pfizer 13 e 14 de maio: 101.600 doses da CoronaVace 422.750 doses da AstraZeneca (dia 13) e 207.800 doses da CoronaVac (dia 14) 18 de maio: 435.500 doses da AstraZeneca, 8,2 mil de CoronaVac e 64.350 doses da Pfizer 26 de maio: 561.750 doses da AstraZeneca e 60.840 doses da Pfizer 2 e 3 de junho: 561.750 doses da AstraZeneca e 60.840 doses da Pfizer 8 de junho: 237.510 doses da Pfizer 9 de junho: 362.750 doses da AstraZeneca 18 de junho: 235.170 doses da Pfizer e 273.000 doses da CoronaVac 21 de junho: 862.000 doses da AstraZeneca 24 de junho: 346.800 doses da CoronaVac, 281.970 doses da Pfizer e 149.550 doses da Janssen 30 de junho: 624.500 doses da AstraZeneca chegam a Minas, no dia 1 de julho, mais 112.320 doses da vacina Pfizer e, no dia 3 de julho, mais 342.300 doses da Janssen, 304.750 doses da AstraZeneca e 219.960 doses da Pfizer 9 de julho: 271.440 doses da Pfizer e 79.600 doses da CoronaVac 15 de julho: 379.750 doses da AstraZeneca 19 de julho: 171.400 doses da CoronaVac e, no dia 20 de julho, 550.050 doses da AstraZeneca e 120.510 doses da Pfizer 27 de julho: 330.600 doses da CoronaVac, 209.430 da Pfizer e 103.260 da AstraZeneca. No dia 28, mais 234.750 doses da AstraZeneca chegam a Minas 30 de julho: 351 mil da Pfizer e 290.200 da CoronaVac 4 de agosto: 118.400 da CoronaVac e 221.130 da Pfizer 6 de agosto: 784.130 doses de vacina chegam ao estado, sendo 349.830 da Pfizer, 425.650 da AstraZeneca e 8.650 da Janssen 7 de agosto: 437.210 doses chegam a Minas, sendo 141.200 da Coronavac e 296.010 da Pfizer 13 de agosto: 420.110 doses chegam ao estado, sendo 266.760 doses da Pfizer, 104.250 da Astrazeneca e 257.480 da CoronaVac 18 de agosto: 947.810 chegam a Minas, sendo 453.960 doses da Pfizer, 301.250 da Astrazeneca e 192.600 da CoronaVac 20 de agosto: 825.190 doses de CoronaVac e Pfizer 22 de agosto: 205.600 doses da CoronaVac, 214.110 da Pfizer e 367.250 doses da AstraZeneca 26 de agosto: 714.230 doses de CoronaVac e Pfizer; 30 de agosto: 282.040 doses das vacinas da Pfizer e AstraZeneca; 1 de setembro: 425.360 doses das vacinas Pfizer, Coronavac e Astrazeneca; 3 de setembro: 284.592 doses da Pfizer em 3 de setembro e 429.800 doses da CoronaVac e 176.172 doses da Pfizer em 4 de setembro; 48 remessa + 49 remessa (contabilizada pelos municpios como 40 remessa): 276.053 doses da Pfizer em 7 de setembro e 129.252 doses da Pfizer e 222.640 doses da CoronaVac em 9 de setembro; 50 remessa + parte a da 51 remessa (contabilizada pelos municpios como 41 remessa): 453.990 doses da Pfizer e 260.250 da AstraZeneca em 17 de setembro; Parte b da 51 remessa + 52 remessa (contabilizada pelos municpios como 42 remessa): 341.930 doses da CoronaVac, 912.726 doses da Pfizer e 308.060 da AstraZeneca em 21 de setembro; 53 remessa (contabilizada como 43 remessa pelos municpios): 544.050 doses da Pfizer e 88.980 da AstraZeneca enviada em 25 de setembro; 54 remessa (contabilizada pelos municpios como 44 remessa): 483.972 doses da Pfizer, 112.260 da AstraZeneca e 800 da Janssen (referentes ao 52 lote) em 29 de setembro; 55 remessa (contabilizada pelos municpios como 45 remessa): 232.410 doses de AstraZeneca e 353.508 de Pfizer em 4 de outubro; 56 remessa (contabilizada pelos municpios como 46 remessa): 324.090 doses da Pfizer e 368.250 de AstraZeneca em 5 de outubro; 57 e 58 remessas (contabilizada pelos municpios como 47 remessa): 588.270 doses da Pfizer em 11 de outubro; Total: 30.298.138 doses. VDEOS: veja tudo sobre o Tringulo, Alto Paranaba e Noroeste de Minas

Leia Mais

PF cumpre mandados em investigao sobre documentao irregular para obteno de porte de arma de fogo em Itana


Polcia representou por dois mandados de busca e apreenso que foram expedidos pela Justia Federal de Divinpolis e cumpridos na casa e no endereo comercial de um despachante nesta quinta-feira (14). Operao, Polcia Federal, Itana Polcia Federal/Divulgao Mandados judiciais foram cumpridos pela Polcia Federal (PF), em Itana, na manh desta quinta-feira (14). O objetivo foi obteno de provas para a investigao que apura o uso de documentos falsos em processos de aquisio de armas de fogo. A polcia representou por dois mandados de busca e apreenso que foram expedidos pela Justia Federal de Divinpolis e cumpridos na casa e no endereo comercial de um despachante. Foram apreendidos um computador, celular e vrios processos de aquisio de armas de fogo que seriam protocolados na Polcia Federal, com indcios de irregularidades. Apurao A investigao teve incio aps a constatao de inconsistncias em documentos apresentados para instruo de procedimentos para adquirir armas de fogo. De acordo com a polcia, foram verificadas possveis irregularidades ou falsidades em documentos referentes ocupao lcita, prevista no Estatuto do Desarmamento - Lei 10.826/03. De acordo com o texto da lei, a ocupao lcita um dos requisitos para a aquisio de arma de fogo e deve ser confirmada por meio de apresentao de documento comprobatrio. Durante as investigaes, foi constatado que, para cumprir com esse requisito, foram anexadas cpias de comprovantes de pagamento de salrio em processos protocolados na delegacia da Polcia Federal. Ao realizar o cruzamento dos dados declarados nos comprovantes de pagamento de salrio com os dados do Sistema de Cadastro Nacional de Informaes Sociais (CNIS), foi possvel verificar diversas inconsistncias Entre elas, segundo a PF, o no recolhimento da contribuio social declarada, inexistncia de vnculo trabalhista e recebimento de salrio em perodo que a empresa no estava ativa. Todos os processos foram protocolados na delegacia pelo mesmo despachante, que passou a ser investigado. Segundo a polcia, os investigados podero responder pelos crimes de falsidade ideolgica e uso de documento falso podendo cumprir at 5 anos de recluso, se condenados. VDEOS: veja tudo sobre o Centro-Oeste de Minas

Leia Mais

Motociclista fica ferido aps acidente com caminho em Itana


Vtima, de 28 anos, foi socorrida inconsciente aps batida registrada nesta quinta-feira (14). A moto utilizada pela vitima ficou destruda aps o acidente registrado nesta quinta (14) Corpo de Bombeiros/Divulgao Um motociclista, de 28 anos, ficou gravemente ferido aps se envolver em um acidente com um caminho no Bairro Jadir Marinho, em Itana, nesta quinta-feira (14). O g1 entrou em contato com a Polcia Militar (PM) para saber a dinmica do acidente, mas no teve retorno at a ltima atualizao desta matria. De acordo com o Corpo de Bombeiros, foi empenhada uma Unidade de Resgate para atender a ocorrncia. A vtima estava inconsciente, com hemorragia interna e sangramento nos braos e nas pernas. Os militares contiveram as hemorragias externas e imobilizaram a vtima, em seguida, o encaminharam para o Hospital Manoel Gonalves. O hospital no informou o estado de sade do rapaz. VDEOS: veja tudo sobre o Centro-Oeste de Minas

Leia Mais

Aulas presenciais obrigatrias, fim das mscaras e vacinao: secretrio de Sade fala sobre pandemia em MG


Fbio Baccheretti disse tambm que Minas vai receber, na semana que vem, cerca de 400 mil doses Astrazenca, o que seria suficiente para suprir o dficit de 118 mil doses do imunizante. Secretrio de Sade falou sobre volta s aulas presenciais de forma obrigatria no estado, possibilidade de fim das mscaras e sobre vacinao. Arquivo g1 Aulas presenciais obrigatrias, fim das mscaras, doses paradas, vacinao e imunidade de rebanho. Estes foram alguns dos pontos abordados pelo secretrio de Estado de Sade de Minas Gerais, Fbio Baccheretti, durante entrevista coletiva, na manh desta quinta-feira (14). Segundo o secretrio, Minas vai receber, na semana que vem, cerca de 400 mil doses Astrazenca, o que seria suficiente para suprir o dficit de 118 mil doses do imunizante. Alm disso, ele revelou que cerca de 2 milhes de doses de Pfizer esto paradas na Central Estadual da Rede de Frio, na Regio Oeste de Belo Horizonte, aguardando a retirada dos municpios. Baccheretti falou tambm dos reflexos no avano da vacinao no estado. Em Minas, 523 municpios no registram mortes por Covid h um ms. Leia a seguir os principais pontos da coletiva de imprensa. Fbio Baccheretti em coletiva de imprensa Reproduo Fim das mscaras O secretrio disse que, devido melhoria dos indicadores da pandemia no estado, a expectativa de que, em dois meses, pode ser que o cidado seja desobrigado a usar a mscara em locais abertos no estado. Mas alertou que ainda no hora de tirar a mscara. Em locais abertos e arejados como praas, parques, o risco menor, muitos pases fizeram isso depois de atingir a imunidade de rebanho. Aqui, no final do ms que vem pode acontecer, j que circulao baixa do vrus, se a gente conseguir imunidade de rebanho, pode ser, mas no est na hora de tirar a mscara, ainda apenas 50% de pessoas receberam a segunda dose, est longe em nmero de 70% (quando atinge imunidade). Em dois meses, pode ser desobrigado a usar mscara em locais abertos em Minas. Locais fechados ainda no h como prever, analisa Baccheretti. Uso de mscara pode ser liberado em locais abertos de Minas depois que imunidade de rebanho for atingida (imagem ilustrativa) Michael Jin / Unsplash 523 municpios sem mortes por Covid h 1 ms O secretrio informou que 523 dos 853 municpios de Minas Gerais no registram mortes por Covid-19 h um ms. A ocupao de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) se mantm abaixo de 25%, com vagas sobrando nos hospitais no estado. No temos nenhuma presso no sistema de sade, temos vagas sobrando nos hospitais do Estado. O vrus est circulando cada vez menos. 523 municpios no tm bitos por Covid-19 no ltimo ms, pontuou. Mais Astrazeneca em Minas Gerais Caixa com doses da vacina AstraZeneca contra Covid-19 Breno Esaki/Agncia Sade-DF Fbio Baccheretti, explicou que espera, at a prxima semana, zerar a falta de imunizante Astrazeneca no Estado para aplicao de segunda dose. Segundo ele, atualmente, h um dficit 118 mil doses. Esmeraldas interrompe aplicao de vacina contra a Covid-19 por falta de doses Conversei hoje com o Rodrigo Cruz, secretrio executivo do Ministrio da Sade, e ele explicou que o governo federal espera receber amanh 4 milhes de doses Astrazenca, ou seja, cerca de 400 mil para Minas Gerais. Na semana que vem, mais 300 mil para semana que vem. suficiente para suprir a necessidade que temos de Astrazeneca, observou. Considerando o pblico-alvo, o governo de Minas Gerais informou que 85% dos maiores de 12 anos no Estado j tomaram ao menos uma dose. Doses paradas Fachada da Central Estadual de Rede de Frio, em Belo Horizonte Elton Lopes/TV Globo Baccheretti revelou que cerca de 2 milhes de doses de Pfizer esto paradas na Central Estadual da Rede de Frio, na Regio Oeste de Belo Horizonte, aguardando a retirada dos municpios. Ns estamos num momento de destaque em que muitas doses esto paradas nas regionais aguardando os municpios buscarem, entre 1 e 2 milhes de Pfizer esperando municpio buscar. Parece que h um receio de usar a vacina para vacinar reforo dos idosos e tambm para adolescentes. Temos que entender o que est acontecendo. Aos municpios queremos fazer essa distribuio, no d para ter dose parada, alertou. Aulas obrigatrias presenciais Sala de aula de escola estadual preparada para retorno das atividades presenciais Gil Leonardi/Imprensa MG O secretrio repercutiu a principal mudana no retorno das aulas presenciais nas escolas estaduais, que a autorizao de ocupao de 100% da capacidade de salas de aula e demais espaos da escola e do transporte escolar e disse que h chances de o retorno acontecer ainda neste ano. H chances de aulas presenciais no estado ainda esse ano, sim. A limitao no para nmero de alunos e sim para o distanciamento. Mas j estamos estudando tentar tirar 90 centmetros como distanciamento mnimo. E queremos voltar presencial. H alunos com comorbidades, mas isso est sendo discutindo, a secretaria de educao espera e ns tambm que a gente consiga voltar com todas atividades presenciais ainda esse ano, afirmou. Festas de fim de ano Ainda durante a coletiva, Fbio alertou a respeito das festas de fim de ano que esto chegando. Falou em diminuir os riscos. Shuterstock Ainda durante a coletiva, Fbio alertou a respeito das festas de fim de ano que esto chegando. Falou em diminuir os riscos. Em dezembro h uma expectativa de imunidade de rebanho, todo pblico-alvo com duas doses, mais de 80% de pessoas vacinadas. H expectativa do vrus circulando menos ainda, mas isso no significa que o risco zero. Vamos diminuir os riscos, buscar locais abertos, arejados, evitar que pessoas com comorbidades fiquem em locais fechados, o risco existe, vai ser menos em dezembro, mas vamos continuar reduzindo os riscos, disse. Os vdeos mais vistos do g1 Minas nesta semana:

Leia Mais

Ladres rendem morador na garagem de casa em Divinpolis


Um homem armado entrou na casa, rendeu o morador e a famlia dele. Ao foi flagrada por cmeras de segurana da residncia. Um homem de 48 anos foi rendido por criminosos enquanto entrava com o carro na garagem da casa dele, no Bairro Niteri, em Divinpolis, na segunda-feira (11). Ningum ficou ferido e nenhum dos ladres foi localizado at a ltima atualizao desta matria. De acordo com a Polcia Militar (PM), a vtima disse que percebeu a presena de pessoas suspeitas em um carro estacionado em frente casa. Mesmo assim, o morador disse que abriu o porto da garagem e quando j estava dentro do imvel foi surpreendido por um dos criminosos armado. A famlia da vtima tambm estava na casa no momento. Todos foram rendidos, segundo a ocorrncia registrada pela polcia. O criminoso roubou celulares, dinheiro, cartes bancrios e alguns objetos da casa. Em seguida, deixou o local. Vdeo Criminoso flagrado roubando casa em Divinpolis Redes sociais/Reproduo A ao foi flagrada por cmeras de segurana e imagens circulam pela internet nesta quarta-feira (13). As imagens mostram o momento que o criminoso deixa o veculo em que estava e caminha em direo ao imvel. Ele entra na garagem armado e aborda o morador. Aps alguns minutos, sai do local escondendo na roupa alguns objetos. VDEO: veja tudo sobre o Centro-Oeste de Minas

Leia Mais

Covid-19: veja boletim da Prefeitura de Divinpolis de 13/10/2021; municpio no registra mortes


Informe dirio tambm mostra ocupao de leitos, casos descartados e recuperados da doena. Estrutura do coronavrus tem formato de coroa, conforme imagem de arquivo Radoslav Zilinsky/Getty Images/Arquivo O Boletim Dirio desta quarta-feira (13) no registrou mortes em decorrncia da Covid-19 em Divinpolis. At o momento, o municpio tem 646 vtimas da doena. A taxa de ocupao na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) de 26,19% e no setor de enfermaria de 32,43% considerando sade pblica e suplementar. Nesta divulgao, a somatria total de casos confirmados de coronavrus de 21.382 desde o incio da pandemia. No informe anterior eram 21.377 casos positivos. O nmero de pacientes internados na rede hospitalar do municpio est em 58, no boletim anterior eram 65 pessoas hospitalizadas. Dados do Boletim Dirio Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Padre Roberto - est com 10% dos leitos ocupados no CTI, com trs dos 30 leitos ocupados. Na enfermaria, a ocupao de 56,25%, com 18 de 32 leitos. rea atendida pelo Sistema nico de Sade (SUS) no Complexo de Sade So Joo de Deus (CSSJD) - opera com 50% de sua capacidade, com seis leitos ocupados entre os 12 no CTI Adulto. Na enfermaria, onze dos 20 leitos esto ocupados, representando 55%. Hospital Santa Mnica - conta com dois leitos ocupados entre os cinco disponveis no CTI Adulto, o que equivale a 40%. Hospital So Judas Tadeu - h trs leitos ocupados entre os cinco instalados na unidade, com 60%. A rea suplementar do CSSJD - conta com 20% de hospitalizados, com dois leitos entre os dez disponveis na unidade. O Hospital Santa Lcia - opera com 40% de ocupao no CTI Adulto, com quatro pessoas internadas. Ocupao de leitos Mortes causadas pela Covid-19 Perfil das vtimas mortas pela Covid-19 Casos confirmados da Covid-19 Taxa de contgio Casos descartados da Covid-19 Pacientes recuperados da Covid-19 Dados de hospitalizaes em Divinpolis Prefeitura de Divinpolis/Divulgao Importncia da vacina Nenhuma vacina oferece proteo de 100% contra doenas, mas todas reduzem o risco de infeco, hospitalizao e morte, principalmente depois da segunda dose. importante lembrar que vacinas funcionam, mas no so infalveis. Ainda assim, apesar de a probabilidade de infeco aps a vacina ser pequena, quanto mais a doena estiver circulando, maior o risco de o imunizante falhar. Por isso a necessidade de vacinar o maior nmero de pessoas possveis o quanto antes. VDEOS: veja tudo sobre o Centro-Oeste de Minas

Leia Mais

Justia revoga priso preventiva de Pedro Lacerda, investigado na morte do segurana Edson Carlos em Divinpolis


A vtima trabalhava em um evento no dia 25 de setembro quando foi agredida e veio a falecer. Segundo a Polcia Civil, a causa do bito foi um mal sbito cardaco; caso segue em andamento. Pedro Lacerda teve priso preventiva decretada por juiz aps audincia de custdia Facebook/Reproduo A Primeira Vara Criminal de Divinpolis deferiu nesta quarta-feira (13) o pedido de liberdade de Pedro Lacerda, investigado na morte do segurana Edson Carlos Ribeiro. O empresrio estava no Presdio Floramar e foi solto s 20h10, segundo o advogado de defesa, William Gomes Melo. Pedro Lacerda foi preso no dia 26 de setembro, em flagrante, aps ter agredido o segurana com um soco em uma festa, no Parque de Exposies. A Polcia Civil emitiu um laudo pericial na ltima sexta-feira (5) que concluiu que a causa da morte do segurana foi uma mal sbito cardaco. Liberdade Em entrevista ao g1, a defesa disse que o pedido de revogao da priso que foi deferido foi feito durante o feriado, aps a apresentao do laudo pericial na sexta-feira (8). O inqurito isentou Pedro Lacerda da morte do segurana constatou que a leso por si s no seria suficiente para causar morte e que o bito ocorreu em decorrncia de uma doena cardaca. Por conta do feriado, o pedido s foi julgado nesta quarta-feira (13). Foram trs pedidos de revogao da priso preventiva, que foram feitos inclusive extrapolando as possibilidades, um deles no feriado. Em resumo, o primeiro foi feito na ocasio da priso. Em seguida, entramos com novo pedido, aps a concluso preliminar do inqurito, no dia 5 de outubro e um terceiro pedido foi feito no planto, aps a concluso do inqurito, ocasio em que o Ministrio Pblico foi favorvel, porm, o juiz plantonista deixou para o juiz titular decidir nesta quarta-feira, sobre a revogao da priso e ele foi favorvel, explicou William. Para a famlia, a liberdade provisria do investigado, no se trata de um ato de justia. Infelizmente em nosso pas no h justia, o que est acontecendo s nos prova isso. Nossa famlia foi destruda por irresponsabilidade de uma pessoa socialmente privilegiada. Se fosse ao contrrio o cenrio seria bem diferente, disse a prima, Cheila Aparecida Souza. Laudo pericial O laudo pericial apresentado pela Polcia Civil na tarde da ltima sexta-feira (8) apontou que o segurana Edson Carlos Ribeiro teve morte sbita cardaca. Segundo a equipe, a causa da morte no teve relao com a agresso sofrida pelo investigado. Foram duas semanas de intenso trabalho que envolveu delegados, peritos e mdicos legistas. A Polcia Civil quando investiga ela no se preocupa com classe social de autor e vtima e no se preocupa com cor de pele de autor e vtima. Cada um dos profissionais envolvidos possui autonomia tcnica para executar os seus trabalho investigativos, disse o delegado Flvio Tadeu Destro na ocasio. Laudo foi apresentado na sexta-feira (8) pela Polcia Civil Polcia Civil/Divulgao Percia Segundo a equipe pericial, os trabalhos partiram da informao de uma agresso sofrida pela vtima enquanto trabalhava, na regio superior entre a traqueia e a cabea, por meio de um soco, com a a utilizao de um suposto soco ingls. Para a percia, no houve utilizao do instrumento. No havia no corpo nenhuma leso sugestiva por meio de um soco-ingls, disse o perito Carlos Eduardo Leal. De acordo com o delegado Marcelo Nunes Jnior na poca, responsvel pelo inqurito policial, foram ouvidas 20 testemunhas que estavam no local. A nica testemunha que confirmou a existncia da utilizao de um soco-ingls, que estava na hora, era outro segurana. As outras todas, ningum viu. No conseguimos constatar a utilizao do artefato nem pelo laudo pericial e muito menos pelas testemunhas, informa ao completar que houve um soco que pegou perto do superclio, motivo pelo qual o suspeito foi indiciado, por leso corporal. O mdico legista, Marcell de Barros Duarte Pereira tambm explicou o que foi constatado no corpo do segurana. O que encontramos foi um hematoma na regio da nuca e na parte frontal da cabea, alm de uma infiltrao. No havia feridas. Havia infiltrao hemorrgica e no era visvel externamente. Demos especial ateno regio da cabea e no encontramos nenhum tipo de leso, na traqueia, laringe, alm dessa pequena infiltrao. Seguimos no exame e o que ns encontramos foi um corao muito aumentado. Procedemos e verificamos que o que se destacava ainda mais era a extenso do ventrculo esquerdo e, assim, levantamos vrias hiptese. Levamos esse corao para Belo Horizonte para exame microscpico e o diagnstico foi uma morte sbita cardaca secundria doena j preexistente, de cardiomiopatia hipertrfica, disse Durante a coletiva, a mdica legista, Andressa Vinha Zauncio, disse o estado de estresse vivenciado no momento da agresso poderia de fato, ter causado a morte sbita do segurana, mas a leso que ele sofreu, em decorrncia do soco, no seria capaz de lev-lo morte. Nenhuma leso apresentada o levaria morte, enfatizou. Ainda segundo a equipe, Edson fazia uso de medicamentos regulares quando foi diagnosticada a doena cardaca e a partir da houve um ajuste medicamentoso. A esposa do segurana disse aos policiais que no tinha conhecimento da cardiomiopatia hipertrfica e que sabia apenas que ele era hipertenso. Experimento pericial O perito criminal Carlos Eduardo Leal contou anteriormente que foi realizada uma anlise superficial do corpo. Naquele momento, no encontrei nenhuma leso aparente sugestiva de uma possvel agresso com soco-ingls, observa. A percia iniciou, ento, um experimento para mostrar a ao do objeto, utilizando massa de modelar. Fizemos alguns clculos matemticos e conclumos que, com a utilizao do soco-ingls, a intensidade lesiva 7.5 vezes maior que o soco comum e apresenta capacidade de produzir leses do tipo contusa: ns vamos ter, sobre o plano sseo, leses abertas; e sobre superfcies que no tenham plano sseo, leses equimticas. Realmente, naquele corpo, nas anlises feitas, no havia leso sugestiva de soco-ingls, conclui o perito criminal. O titular da ao penal o Ministrio Pblico e diante do que for apresentado, o MP pode solicitar novas diligencias da Polcia Civil dentro do inqurito e do eventual processo. Pedido de Justia Quando a morte do segurana completou uma semana, no ltimo dia 2, familiares e amigos fizeram uma carreta em Divinpolis com objetivo de cobrar por justia nas investigaes. Os sentimentos de tristeza e revolta marcaram a carreta. Frases com os dizeres Justia por Edson foram escritas nos veculos. Edson trabalhava em um evento no Parque de Exposies quando foi agredido por um participante da festa, no resistiu e morreu tempo depois. O suspeito pelo crime, o empresrio Pedro Lacerda, foi preso na data da morte. No ltimo dia 29 de setembro, a Justia negou o pedido de revogao da priso preventiva dele. Ao g1, o advogado de defesa William Gomes Melo disse na ocasio que o pedido de revogao foi feito no dia 27 e negado na quinta-feira. Esse foi nico pedido feito at ento, afirmou. Naquele momento, a defesa disse que no faria nenhum outro ato at que tivesse acesso ao laudo pericial. Carreata cobra por justia nas investigaes de segurana morto em Divinpolis LEIA TAMBM: Segurana morre aps ser agredido durante evento em Divinpolis; rapaz foi preso com soco-ingls Corpo de segurana morto em evento velado na Praa Elizeu Zica em Divinpolis Tristeza e revolta marcam velrio e sepultamento de segurana morto aps ser agredido durante evento em Divinpolis Em audincia de custdia, juiz decreta priso preventiva de suspeito de matar segurana durante evento em Divinpolis Aps morte de segurana, manifestaes por justia e contra o racismo so realizadas em Divinpolis VDEO: veja o momento da priso de Pedro Lacerda, suspeito de matar segurana durante evento em Divinpolis Em depoimento Polcia Civil, suspeito de matar segurana em Divinpolis nega agresso fsica Organizadores da festa em que segurana foi morto prestam depoimento na Polcia Civil em Divinpolis Segurana foi morto enquanto trabalhava em Divinpolis Reproduo/Facebook Pedido negado Segundo o juiz Ivan Pacheco de Castro na ocasio, agora responsvel pelo processo, no cabe a ele alterar a deciso decretada no dia 26 em audincia de custdia feita pelo juiz Mauro Riuji Yamane, que decretou a priso preventiva. Desde a deciso proferida pelo juzo plantonista, no houve qualquer alterao da situao de fato ou de direito do requerente. Ao que acrescento que este magistrado no tem competncia revisional de decises proferidas por colegas durante o planto forense, descreveu na deciso o juiz Ivan Pacheco. Na ocasio ele ainda acrescentou que se tratava de crime extremamente violento, pois a vtima teria sido atingida na cabea por um golpe com o instrumento soco-ingls, perdeu a conscincia e foi a bito no local dos fatos. E tudo por motivo aparentemente pequeno, por ter impedido o autuado de acessar uma rea restrita da festa e por ter lhe chamado a ateno aps flagr-lo urinando em local imprprio, descreveu o juiz. No documento constava ainda que h prova da materialidade do crime e fortes indcios fortes de autoria, mediante declaraes de trs testemunhas que afirmaram ter presenciado o momento do golpe sendo que um deles ainda ouviu o suspeito afirmando ter golpeado a vitima porque quis. A gravidade do fato e sua repercusso negativa na imprensa local justificam a priso cautelar como forma de resguardar a segurana e pacificao social. Ademais, a periculosidade de um cidado que, em tese, vai a uma festa armado com soco-ingls e o utiliza para golpear outro cidado que ali apenas trabalhava evidente, prosseguiu o juiz. Se as circunstncias do caso demonstram, concretamente, a periculosidade acentuada do paciente ou geram manifesta repercusso social negativa, extrapolando o tipo penal imputado, a priso preventiva se impe como medida jurdica salutar, ainda que o paciente possua condies pessoais favorveis. Diante disso, no se v espao, por ora, para a revogao da priso preventiva do autuado Pedro Henrique Lacerda Faria. Por tais motivos, INDEFIRO o pedido, finaliza o juiz no documento disponibilizado ao g1 pelo TJMG. O caso Edson trabalhava como segurana em uma festa realizada no dia 25 de setembro e morreu de mal sbito aps agresso de Pedro Lacerda. Segundo informaes do registro da Polcia Militar (PM), Pedro teria se irritado com o segurana aps ele o impedir de entrar em camarote sem autorizao. O empresrio teria agredido o segurana com socos no rosco e testemunhas disseram que Pedro utilizou um soco-ingls contra a vtima, mas a suspeita foi descartada durante as investigaes da percia. Manifestaes Manifestao foi realizada na porta da delegacia de Polcia Civil na ltima segunda-feira (27) Roberto Eleotrio/G1 Um grupo de manifestantes se reuniu no dia 27 de setembro em um ato com pedidos de justia e rigor nas investigaes da morte de Edson Carlos Ribeiro, de 42 anos. Entre os manifestantes estavam amigos, parentes e integrantes da classe de seguranas da cidade. O ato ocorreu de forma pacfica e o deputado estadual Cleiton Azevedo (Cidadania) tambm passou pelo local. Embora a polcia j tenha dito que h indcios de a agresso no ter sido motivada por questes raciais, o grupo novamente, assim como no dia 26 de setembro, levantou a bandeira com a frase: Vidas negras importam. Manifestantes pedem rigor das investigaes da morte de Edson Carlos Ribeiro Roberto Eleotrio/G1 Investigao O empresrio Pedro Lacerda negou que tenha agredido o segurana, segundo coletiva concedida no dia 27 de setembro pelo delegado da Polcia Civil Renato Alves da Fonseca. De acordo com o responsvel pelas investigaes, h verses contraditrias e seria feito o levantamento sobre o que ocorreu entre o investigado e o segurana. O investigado, no depoimento assistido pelo advogado, nega qualquer agresso fsica contra a vtima e que tenha dito algo pejorativo com relao pessoa da vtima. Ele alega que estava participando desta festa e tomou conhecimento da priso por seguranas que l trabalhavam e, posteriormente, o acionamento da polcia. Somente na delegacia tomou conhecimento da suspeita contra sua pessoa, disse o delegado. Pedro teve a priso preventiva decretada no dia 26 aps uma audincia de custdia realizada pelo juiz Mauro Riuji Yamane. Testemunhas alegam que o investigado teria agredido fisicamente a vtima com um golpe e utilizando um soco-ingls. Outra testemunha alega que no viu o uso de soco-ingls, embora tenha visto a agresso. Os seguranas que realizaram a deteno do suspeito no localizaram esse instrumento e tambm no indicaram aos policiais uma possvel pessoa que pudesse ter auxiliado a dispensar isso, acrescentou Renato na ocasio. A Polcia Civil disse tambm na poca que nos prximos dias ouviria outras testemunhas, principalmente, a fim de investigar se houve ou no uso de soco-ingls. O Direito aceita a prova testemunhal, lgico que corroborada com outros resultados, por exemplo, temos que aguardar o resultado do mdico legista para verificar se existe leso no corpo da vtima que possa ser compatvel com o uso deste instrumento, concluiu Renato. O crime foi registrado pela Polcia Civil como leso corporal seguido de morte. Segundo Renato na coletiva, no existem elementos que justifiquem a tipificao como homicdio. A polcia toma as decises e tipificao inicial da conduta baseado na Legislao em vigor. O crime de homicdio tem como principal elemento que o caracteriza a vontade inicial do agente, o dolo, a conduta, o resultado. Normalmente quem quer causar a morte de algum excede dos meios utilizados. E a leso corporal a conduta tambm observada. Neste caso, houve uma discusso verbal, segundo testemunhas, um soco na vtima e uma separao por terceiros deste atrito. No houve elemento sobre essa ao ter sido preparada, uso excessivo de agresses para causar a morte, finalizou. Sepultamento Tristeza e revolta marcaram o velrio do segurana Edson que foi velado em Divinpolis e sepultado em Itapecerica no dia 26 de setembro. Velrio foi realizado na Praa Elizeu Zica em Divinpolis no ltimo domingo Mariana Milagre/G1 Na ocasio, uma prima da vtima, Cheila Souza, falou sobre a relao de Edson com a famlia. Edson era um pai de famlia, um trabalhador, um primo amado, um irmo maravilhoso. O que aconteceu muito triste, um inocente, fazendo seu trabalho, pagando com a vida pela violncia de outra pessoa. Minha famlia est sem cho, no sabemos o que fazer. Um vai dando fora para o outro, mas vai ser difcil, contou ao g1 a prima de Edson, Cheila Souza. Priso Um vdeo que circulou nas redes sociais no fim de semana da morte mostrou o momento em que Pedro Lacerda foi preso pela Polcia Militar (PM) no Parque de Exposies. (veja abaixo). Suspeito de matar segurana durante evento preso em Divinpolis As imagens que circularam na internet mostram quando ele abordado pela equipe policial, momento em que a festa continua sendo realizada. A organizao do evento afirmou em nota que aps as tentativas de socorro prestadas s vtimas, sem sucesso, o evento foi encerrado e os demais shows que ocorreriam foram cancelados. Momento da priso de Pedro Lacerda aps morte de segurana em Divinpolis Reproduo/Redes Sociais Audincia de custdia Pedro Lacerda teve priso preventiva decretada por juiz aps audincia de custdia Facebook/Reproduo O juiz Mauro Riuji Yamane decretou a priso preventiva de Pedro Lacerda durante a audincia de custdia realizada no dia 26 de setembro. A audincia de custdia consiste em um instrumento processual e conduzida pelo juiz de direito. Se trata de uma ao rpida aps a priso em flagrante, priso cautelar ou priso decorrente de condenao e que permite contato imediato do preso com o magistrado. Na ocasio foi questionada a conduta policial no ato da priso. Ali s foi perguntado se ele sofreu alguma violncia ou ilegalidade por parte da Polcia Militar ou Civil, por ocasio da priso. Ele disse que no ocorreu, explicou ao g1 o juiz Mauro Riuji. VDEOS: veja tudo sobre o Centro-Oeste de Minas N

Leia Mais